Wiggolly Dantas quer ampliar o apoio ao Brasileiro de Surf Feminino

A iniciativa de Wiggolly Dantas em patrocinar o Brasileiro de Surf Feminino Profissional é louvada por todas as atletas da categoria, mas ele ainda não está satisfeito e já avisa que quer ampliar a sua atuação para revitalizar ainda mais a modalidade.

Em sua terceira edição consecutiva e definindo a campeã nacional da temporada, o Wiggolly Dantas apresenta Wizard Brasileiro de Surf Feminino cresceu, ganhou novas categorias, com o longboard profissional e mais disputas de base, incluindo a sub10, atraindo atletas de todo o litoral e até do exterior.

“Estou dando parte da minha contribuição. Meu foco é fazer um circuito com três etapas. Elas merecem. Vou fazer de tudo para acontecer no ano que vem”, determina. “É muito gratificante fazer um evento para as meninas. A única, por enquanto. Um sonho que estou realizando, não só para mim, para a minha família, mas para todas as atletas do Brasil”, afirmou.

Guigui, como é conhecido no meio do surf, teve em casa o apoio importante na carreira de duas mulheres, sua mãe Eliane, que atua como sua empresária, e sua irmã, Suelen Maraísa, bicampeã brasileira profissional em 2009 e 2010.

“Estava voltando de São Paulo com o Duduzinho, um amigo meu e falei: Poxa! Não tem campeonato para elas e estou a fim de fazer algo. Ele botou uma pilha e eu via a minha irmã treinando em Itamambuca, várias outras meninas, e coloquei isso na cabeça. Cheguei em Ubatuba e conversei com a minha mãe e ela respondeu: eu assino embaixo. Era só o que eu precisava saber”, lembra. “E tudo começou. No primeiro ano, banquei tudo do meu bolso, no segundo conseguimos patrocinadores e agora está sendo o mais difícil, pela crise no Brasil”, conta.

O surfista brasileiro explica que conta com alguns patrocinadores importantes, que estão ajudando para a realização do campeonato, mas ele ainda continua assumindo muitos custos com a família. “Tivemos vários imprevistos, mas conseguimos começar o evento bem, está todo mundo feliz. É bom. Deixei de ir para Portugal (QS 10000) para estar aqui, ver as meninas competindo e ver o sorriso delas não tem preço que pague”, destaca Guigui.

No evento, toda a família tem sua contribuição, sobretudo a mãe e a prima Natali Paola, que também já foi competidora e agora fica na organização direta. Ela e Eliane são a linha de frente, junto à Abrasp, patrocinadores e todos os detalhes. O irmão e técnico Wellington Carane também colabora e outro parceiro direto é Alberto Jacob, primeiro técnico de Guigui, hoje o diretor de prova. “Estou feliz. Não imaginava que cresceria tanto. Aconteceu do nada e hoje temos um grande evento”, realça o surfista.

 

Deixe uma resposta

Mostrar botões
Esconder botões