Mateus Herdy brilha na abertura do Oi Pro Junior Series

O atual campeão mundial da categoria Pro Junior Sub-18, foi o primeiro surfista a se destacar na abertura do Oi Pro Junior Series nas ondas da sexta-feira na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro. O catarinense Mateus Herdy estreou na segunda bateria do dia, com as marcas a serem batidas no campeonato, nota 7,50 e 12,75 pontos. Ninguém conseguiu superar na categoria masculina, mas na feminina a peruana Daniela Rosas bateu todos os recordes, atingindo 14,50 pontos com notas 7,50 e 7,00 na última bateria das meninas no primeiro dia. A primeira fase do Oi Longboard Pro fechou a sexta-feira e a estreia da categoria feminina foi adiada pela difícil condição do mar, para as 7h00 do sábado na Barra da Tijuca.

Oi Pro Junior Series começou com duas vitórias catarinenses no Rio de Janeiro. Uriel Sposaro ganhou a primeira e o campeão mundial Mateus Herdy venceu a segunda, não dando qualquer chance aos adversários. Ele ganhou nota 7,50 em um aéreo full-rotation e totalizou 12,75 pontos. Mateus não tinha feito inscrição no prazo, mas decidiu participar do evento na última hora, então teve que entrar na primeira fase. Senão, seria um dos dezesseis cabeças de chave que só estreiam na segunda e última rodada de oito baterias.

“Eu entrei na bateria sem qualquer pressão, as ondas estão bem divertidas e eu até queria que tivesse mais tempo na água, porque está bem legal de surfar”, disse Mateus Herdy. “Está demorando um pouco para entrar as ondas que abrem mais pra fazer manobras, mas está bem divertido pra competir. Eu consegui achar umas boas e eu sabia o que teria que fazer pra garantir minha classificação, então foi tranquilo”.

Com a classificação em primeiro lugar com os recordes do Oi Pro Junior Series na Barra da Tijuca, Mateus Herdy vai enfrentar os cabeças de chave Leonardo Barcelos e Mateus Sena na segunda bateria novamente, completada pelo chileno Tomas Bock, que passou em segundo no confronto que abriu a disputa pelo título sul-americano Pro Junior de 2019 da WSL South America. O catarinense, que é filho do ex-surfista profissional Alexandre Herdy e sobrinho de um ex-top da elite do CT por muitos anos, Guilherme Herdy, também falou sobre não ter feito a inscrição dentro do prazo, para ser um dos cabeças de chave da segunda fase.

“Eu resolvi vir de última hora por ser um evento aqui no Brasil e porque é um bom treino para os próximos QS, mas eu vim pra ganhar, com certeza”, afirmou Mateus Herdy. “Foi muito animal essa iniciativa da Oi, de fazer quatro etapas do Pro Junior no Brasil. É o que eu sempre quis. Esse é meu último ano de Pro Junior e só competi quando tinha apenas uma etapa por ano. Eu sempre quis que tivesse mais e isso vai ser muito bom para meus amigos mais novos que terão essa oportunidade de disputar várias etapas. Vai ser ótimo pra todo mundo”. 

Entre os cabeças de chave que vão estrear na segunda fase do Oi Pro Junior Series neste sábado, estão dois surfistas que competiram no Mundial Pro Junior do ano passado junto com ele na Ilha Taiwan, o paulista Eduardo Motta escalado na primeira bateria e o peruano Raul Dañino na quinta. O atual campeão sul-americano Pro Junior, Samuel Pupo, e o peruano Jhonny Guerrero, completaram o time, porém já estouraram o limite de idade para participar da categoria Sub-18. Pupo foi até as semifinais na Ilha Taiwan e ficou em terceiro lugar.

ESTRANGEIROS – Entre os participantes de outros países no Oi Pro Junior Series, os primeiros a conseguir classificação na sexta-feira foram o argentino Nazareno Pereyra e o chileno Cristobal Montecinos. Ambos na mesma sétima bateria do dia, barrando os brasileiros Pedro Amorim e Heitor Mueller na disputa pelas duas vagas para a rodada dos cabeças de chave. O argentino Nazareno Pereyra, de apenas 15 anos de idade, saiu do mar em primeiro lugar com a terceira maior somatória do dia até ali, 10,25 pontos com notas 5,25 e 5,00.

“É a primeira vez que participo do Pro Junior e minha primeira vez aqui no Rio (de Janeiro) também, mas consegui pegar boas ondas para passar a bateria em primeiro lugar”, disse Nazareno Pereyra. “No ano passado, eu estive em Santa Catarina competindo em duas etapas do Circuito Catarinense e este ano quero me dedicar mais no Pro Junior. É muito importante ter mais etapas da categoria para a gente, não só aqui no Brasil, mas em outros países da América do Sul também. É muito caro viajar para a Europa, Austrália, Estados Unidos, então é bom ter mais eventos no nosso continente. Parabéns aos organizadores por estas quatro etapas do Oi Pro Junior Series que terão aqui no Brasil”.

PRO JUNIOR FEMININO – Na categoria feminina do Oi Pro Junior Series, todas as dezesseis participantes foram divididas na primeira fase e já estrearam na sexta-feira. A atual bicampeã sul-americana da WSL South America, Sol Aguirre, estreou na primeira bateria e surfou o suficiente para avançar em segundo lugar na disputa vencida pela argentina Coco Cianciarulo.

Ao contrário da peruana, a campeã sul-americana de 2016, Tainá Hinckel, que faz parte do time de surfistas patrocinados pela Oi, fez os recordes das meninas até a sua bateria. A catarinense da Guarda do Embaú só surfou duas ondas e a última foi a melhor, valeu 6,75 para totalizar 10,75 pontos. A também brasileira Kemily Sampaio passou em segundo, eliminando a peruana Alessia Moro e outra brasileira, Bruna Carderelli.

“O mar está bem difícil e acho que eu poderia ter ficado um pouco mais ativa dentro d´água”, disse Tainá Hinckel. “Mas, deu tudo certo e estou feliz por ter passado e por estar aqui no Rio (de Janeiro) de novo. Eu amo muito esse lugar e só quero ir avançando, surfando bem e me divertindo. Minha meta nesse evento e em todo o circuito é tentar ser campeã sul-americana de novo e me classificar pro Mundial da WSL. Além disso, quero me divertir, surfar e fazer o melhor resultado possível nos eventos porque é isso que me faz feliz, então vamos com tudo”. 

MELHOR DO DIA – Logo após a estreia da melhor brasileira na categoria Pro Junior Sub-18, a peruana Daniela Rosas bateu todos os recordes da sexta-feira na Barra da Tijuca. Ela conseguiu achar boas ondas para manobrar forte e tirar uma nota 7,00 e um 7,50, como o recebido pelo campeão mundial Mateus Herdy. No entanto, a vitória da peruana que lidera o principal ranking da WSL South America em 2019, da categoria profissional, foi por 14,50 pontos, contra 12,75 do catarinense que fez as maiores marcas da primeira fase masculina.

“Na verdade, as ondas estão um pouco difíceis, mas eu consegui achar duas ondas boas felizmente, porque as condições estão mudando muito a cada momento”, disse Daniela Rosas. “Eu vou tentar de todas as maneiras buscar o título sul-americano esse ano. No ano passado, eu fiquei perto de conseguir e me classifiquei pro Mundial, mas não fui pra Taiwan porque preferi disputar o Panamericano na mesma data. Eu espero ir esse ano e, para isso, tenho que surfar bem as baterias, pegando boas ondas para ir avançando nas competições”.

Na segunda fase feminina que vai rolar no sábado, as meninas já vão disputar classificação para as semifinais da primeira das quatro etapas do Oi Pro Junior Series esse ano. Na primeira bateria, a bicampeã sul-americana de 2017 e 2018, Sol Aguirre, vai brigar pelas duas primeiras vagas com a argentina Coco Cianciarulo e as brasileiras Julia Camargo e Isabela Saldanha. A peruana recordista absoluta da sexta-feira, Daniela Rosas, entra no confronto seguinte com mais três brasileiras, Tainá Hinckel, Kemily Sampaio e Pamella Mel.

OI LONGBOARD PRO – Também estava programado realizar a primeira fase masculina e feminina do Oi Longboard Pro na sexta-feira, porém as condições do mar estavam ficando cada vez mais difíceis para competir e a estreia das meninas, com as favoritas ao título, Chloé Calmon e Atalanta Batista logo na primeira bateria, ficou para abrir o sábado, às 7h00 na Barra da Tijuca. Chloé lidera o ranking mundial de 2019 da World Surf League com vitória na primeira etapa na Austrália e a pernambucana Atalanta é a atual tricampeã sul-americana, ganhando as três últimas disputas de título da WSL South America.

Entre os homens, os bicampeões mundiais Phil Rajzman e Piccolo Clemente fazem parte da lista dos oito cabeças de chave que só estreiam na segunda fase e não competiram na sexta-feira. O carioca Phil Rajzman é o atual campeão sul-americano de Longboard e vai estrear junto com Alexandre Escobar na primeira bateria da segunda fase. Seus adversários classificados na sexta-feira são os também brasileiros Marcelo Freitas e Gabriel Moura.

E o peruano Piccolo Clemente, que já tem três troféus de campeão sul-americano da WSL South America no currículo, encabeça a quarta e última bateria da segunda fase, junto com o paulista Carlos Bahia. A parada vai ser dura, porque outro competidor experiente com várias participações no Circuito Mundial, Jefson Silva, fechou a sexta-feira com vitória e completou o confronto do peruano, que já tinha outro brasileiro que estreou no primeiro dia, Jonas Santos.  

QUATRO ETAPAS – A Oi já patrocina a etapa brasileira do World Surf League Championship Tour desde 2015 e agora também passa a investir na base do esporte, na principal competição para surfistas com até 18 anos do mundo, além de resgatar a modalidade Longboard no Brasil. Serão quatro etapas do Oi Pro Junior Series em quatro estados do país, duas delas combinadas com o Oi Longboard Pro e todas com igualdade na premiação em dinheiro para homens e mulheres. As duas próximas serão apenas para a nova geração competir de 12 a 14 de julho na Praia de Stella Maris, em Salvador (BA), e de 11 a 13 de outubro em Florianópolis (SC). Na última, de 08 a 10 de novembro na Praia de Maresias, em São Sebastião (SP), o Oi Pro Junior Series e o Oi Longboard Pro decidirão os campeões regionais de 2019 da WSL South America.  

Deixe uma resposta

Mostrar botões
Esconder botões