Nolan Raposa conquista o QS3000 Maui and Sons Arica Pro Tour

Pela primeira vez em 10 anos de história, um gringo norte-americano consegue ser campeão em El Gringo, com Nolan Rapoza derrotando o peruano Alonso Correa na decisão do título do Maui and Sons Arica Pro Tour QS 3000 by Jeep na Ex Isla Alacrán de Arica, no Chile. No domingo, as ondas estavam enormes, entre 8-10 pés, porém com um vento afetando a boa formação dos tubos, tornando o último dia ainda mais desafiador para os surfistas. Os brasileiros ficaram nas quartas de final e o australiano Dean Bowen dividiu o terceiro lugar no pódio com o taitiano Mihimana Braye, no domingo gelado em Arica.

“Esta foi a minha primeira final no QS e minha primeira vitória ser logo aqui nesse lugar, é inacreditável”, disse Nolan Rapoza. “É uma sensação insana e eu precisava disso. Eu adorei El Gringo, Arica, o Chile e todo mundo aqui. Eu estava passando por dificuldades em casa, sem conseguir bons resultados, mas fiquei focado e quero agradecer a minha mãe, que me incentivou a continuar. Essa vitória é muito importante pra mim. Todo mundo fala que Pipeline é a melhor onda pra competir, mas acho que El Gringo está no mesmo nível, pois as ondas são incríveis, com tubos fantásticos e certamente estarei aqui no ano que vem”.

Com os 3.000 pontos da vitória no Maui and Sons Arica Pro Tour, Nolan Rapoza subiu da 52.a para a 19.a posição no ranking do WSL Qualifying Series. O vice-campeão Alonso Correa estava mais próximo da lista dos dez que se classificam para a elite dos top-34 da World Surf League, que disputa o título mundial no Championship Tour. Com os 2.250 pontos recebidos no Chile, ele saiu do 27.o lugar para dividir a 13.a colocação com o também peruano Miguel Tudela.

“Estou um pouco triste porque não consegui sair dos melhores tubos que peguei, mas estou feliz porque foi o melhor resultado que eu tive aqui”, disse Alonso Correa. “Teve alguns anos que eu não passei nenhuma bateria, então foi muito bom chegar na final nesta praia que eu gosto tanto. El Gringo é uma das ondas mais perigosas e intimidantes do mundo, é a minha favorita e só tenho que agradecer todos aqui. Foi bom porque eu subi no ranking, pois estou buscando entrar no CT, é o meu objetivo e agora estou mais perto e isso me dá muita motivação para buscar os resultados que preciso para conseguir isso”.

Já na disputa pelo título sul-americano da WSL South America, ninguém tirou a liderança do brasileiro João Chianca, conseguida com a vitória no Héroes de Mayo Iquique Pro no domingo passado, também no norte do Chile. Os dois que tinham chance de conseguir isso em El Gringo, perderam nas quartas de final que abriram o último dia, o peruano Joaquin del Castillo e o paulista Vitor Mendes. Joaquin subiu para a terceira posição no ranking e Alonso Correa, vice-campeão sul-americano em 2018, saltou do 43.o para o quarto lugar e entrou na briga.

DECISÃO DO TÍTULO – A grande final começou as 11h15 do domingo gelado na Ex Isla El Alacrán e de mar desafiador em El Gringo. A escolha das ondas era fundamental, pois as condições estavam difíceis, com séries pesadas e a maioria fechando rápido. O primeiro tubão foi surfado por Alonso Correa, que largou na frente com nota 5,83. Nolan Rapoza começou em um tubo mais curto que valeu 3,50. O peruano logo entra num muito maior, mas não sai dele.

Os dois erram na escolha das suas próximas ondas, que não abrem os tubos. Alonso pega um mais embaixo do pico que rende 3,07, enquanto o americano entra numa morra lá atrás, passa por dentro da primeira sessão e se entoca de novo no inside, para assumir a ponta com 5,43. A diferença era pequena ainda, com o peruano podendo voltar ao primeiro lugar com 3,10 pontos apenas. Aí pareceu até que El Gringo adormeceu, as séries pararam de entrar e a calmaria prosseguiu até quando restavam 10 minutos para o término da bateria.

Alonso Correa precisava aproveitar bem a chance para tentar a vitória e ele pega uma onda que armou o tubo, se entocou lá dentro, mas o lip foi em cheio no seu rosto e o derrubou da prancha. Nolan Rapoza responde descendo um paredão para se encaixar num tubo, sai limpo da cortina d´água e recebe 4,67, que garantiu sua primeira vitória na carreira por 10,10 a 8,90 pontos. Ele ainda pega outro tubo no minuto final e sai do mar festejando bastante com os amigos americanos, que também estavam competindo no Chile.

RESULTADOS DO DOMINGO NO MAUI AND SONS ARICA PRO TOUR QS 3000:

Campeão: Nolan Rapoza (EUA) por 10,10 pontos (5,43+4,67) – US$ 15.000 e 3.000 pts no QS

Vice-campeão: Alonso Correa (PER) com 8,90 pts (5,83+3,07) – US$ 7.000 e 2.250 pts no QS e 750 no Sul-americano

SEMIFINAIS – 3.o lugar com US$ 3.500 e 1.680 pontos no QS:

1.a: Alonso Correa (PER) 11.44 x 4.77 Dean Bowen (AUS)

2.a: Nolan Rapoza (EUA) 10.07 x 6.80 Mihimana Braye (TAH)

QUARTAS DE FINAL – US$ 2.250 e 1.260 pts no QS e 420 no Sul-americano:

1.a: Dean Bowen (AUS) 7.17 x 4.53 Wiggolly Dantas (BRA)

2.a: Alonso Correa (PER) 10.33 x 5.33 Skip McCullough (EUA)

3.a: Nolan Rapoza (EUA) 12.17 x 8.03 Vitor Mendes (BRA)

4.a: Mihimana Braye (TAH) 5.40 x 4.40 Joaquin del Castillo (PER)

Deixe uma resposta

Mostrar botões
Esconder botões