Suelen Naraísa é o grande destaque no primeiro dia do Brasileiro Feminino de Surf

Ela é uma das inspirações de Wiggolly Dantas, seu irmão, para surfar. E foi, justamente, o grande destaque no primeiro dia do Wiggolly Dantas apresenta Wizard Brasileiro de Surf Feminino, nesta sexta-feira (22), na Praia de Itamambuca, em Ubatuba. Bicampeã brasileira profissional, Suelen Naraísa garantiu as melhores performances, nas duas apresentações, com a maior nota, 7,75 pontos e as maiores somatórias, 14,0 e depois 14,5, num dia de ondas de 1 metro e muito sol.

O campeonato segue até domingo e está reunindo mais de 130 surfistas de oito estados e também uma convidada da Costa Rica, Emily Gussoni, outro grande destaque do dia. No total, são sete categorias em ação, com a atração principal o título brasileiro profissional, distribuindo R$ 15 mil de premiação. Também estarão no mar a longboard profissional e as disputas de base sub10, sub12, sub14, sub16 e sub18.

Para Suelen, prevaleceu o conhecimento do pico e a experiência, além da dedicação. “Foi um pouco de cada, mas o foco. Este ano estou bem mais concentrada, sabendo o que estou fazendo. Apesar do conhecimento, da experiência, o treino e a dedicação contam bastante”, afirmou a surfista de 33 anos.

“Esse ano fiz o meu trabalho, o que fiz a minha vida toda, o que não aconteceu nos dois últimos anos”, argumentou. “Estava bem desanimada. Desde o meu resultado do ano passado, eu coloquei na cabeça que esse ano seria diferente”, desabafou a atleta, que foi apenas a 17ª colocada em 2016. “Agora, quero me divertir, estou no quintal de casa, com a família”, afirmou.

A melhor do Brasil em 2009 e 2010 falou com carinho e orgulho da iniciativa de seu irmão, um dos brasileiros do WCT, em patrocinar e revitalizar o surf feminino, pelo terceiro ano seguido. “Fico muito orgulhosa. Sempre falo em casa: a gente tem de retribuir tudo o que nos foi dado um dia. Ele, como o nome que tem, os patrocinadores acreditam decidiu ajudar, retribuir para o surf feminino, por ter uma atleta dentro de casa, por sempre ter visto a dificuldade que foi o surf feminino”, relatou.

Atualmente, Suelen tem uma escola de surf em Itamambuca. “Me formei em Educação Física em 2005 e, desde então, já trabalho com isso. Nos últimos anos têm sido mais intenso. Também tem aulas com grupos de mulheres na iniciação e surftrips. Passo meu conhecimento de uma vida inteira de surfista. Levo essas meninas para ondas gringas. Hoje eu realizo sonhos”, destacou.

 

Deixe uma resposta

Mostrar botões
Esconder botões