Deivid Silva defende vitória em Florianópolis no Hang Loose Pro Contest 30 Anos

Vencedor da etapa do WSL Qualifying Series em Santa Catarina no ano passado, o paulista Deivid Silva volta à Florianópolis para defender seu título de olho na vaga para a elite mundial. Ele é um dos destaques do Hang Loose Pro Contest 30 Anos, etapa do QS 6000 que será disputada de terça-feira (1º) a domingo na Praia da Joaquina. Atual 14.o colocado no ranking, o surfista de 21 anos sabe que um bom resultado na capital catarinense pode colocá-lo de volta ao grupo dos dez surfistas que se classificam para o Samsung Galaxy World Surf League Championship Tour de 2017.

Deivid descarta a pressão por ser o atual vencedor e estar muito próximo de seu objetivo. Ele acredita que os dois fatores servem de motivação. “No ano passado, eu não estava nem esperando aquela vitória. Estava meio desligado. Isso me impulsionou para estar melhor agora e vamos com tudo”, afirma o surfista da Praia Branca, em Guarujá.

“Quero estar entre os dez novamente”, acrescenta o bicampeão sul-americano Pro Junior da WSL South America em 2014 e 2015. Ele chegou a ocupar a quarta posição na classificação do QS nesta temporada, mas acabou saindo do G-10 na perna europeia do WSL Qualifying Series. “Essa queda foi para me motivar. Cair para se levantar”, garante Deivid.

No ano passado, após a vitória na etapa também do QS 6000, na Praia do Santinho, ele seguiu para o Havaí com chances de integrar o CT e ficou muito próximo de conseguir o vaga. “Faltaram duas baterias apenas”, conta. “Era o meu primeiro ano nas etapas do Havaí. Aquilo me deu mais força para fazer resultado melhor”, adianta.

Em Florianópolis, a estratégia promete ser diferente em relação ao ano passado. “Como estou melhor posicionado esse ano, vou bastante confiante. Estou treinando muito e acho que vai dar tudo certo. A única coisa que não vou fazer é ficar esperando tanto as ondas, deixando todo mundo nervoso. Estou treinando para ficar mais ativo nas baterias, pegar mais ondas. O Kid está me ajudando sobre isso”, revela o surfista, citando seu técnico, Paulo Kid.

Apesar de momentaneamente estar fora da lista dos dez classificados, ele demonstra tranquilidade pelo que vem pela frente. “São três etapas que gosto bastante. Já venci em Floripa e no Havaí é uma onda forte, diferente, não tem em lugar algum do Mundo. É só lá”, fala Deivid, que nesta temporada venceu o QS 1500 Quiksilver Pro Casablanca, em Marrocos, que nem faz parte dos seus cinco resultados que são computados no ranking.

Os principais são o nono lugar no QS 10000 Ballito Pro, na África do Sul, que lhe rendeu 3.700 pontos, e o terceiro no QS 6000 Australian Open of Surfing, em Sydney, Austrália, que valeu 3.550 pontos. Ele também está somando um 17º lugar no QS 10000 Vans US Open of Surfing, na Califórnia, Estados Unidos; o terceiro no QS 3000 Martinique Pro, no Caribe; e o nono no QS 6000 Maitland and Port Stephens Toyota Pro, em Newcastle, Austrália.

Deixe uma resposta

Mostrar botões
Esconder botões